quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Uma Semana para se Perder - Tessa Dare


A vila de veraneio da Inglaterra Spindle Cove é o cenário principal desse livro que faz parte de uma série composta por quatro histórias independentes da autora americana Tessa Dare. Minerva Highwood, suas duas irmãs (Diana e Charlotte) e a mãe foram passar o verão nessa vila, mas estenderam a estadia na cidade por motivos de: arranjar um casamento. A mãe das jovens tinha a esperança de que o jovem lorde Payne iria pedir em casamento sua filha mais velha, Diana. Colin (o lorde Payne) estava em Spindle Cove para reger um pequeno esquadrão em caso de guerra. A ida de Colin para Spindle Cove havia sido também uma estratégia usada por seu primo e tutor Bram como última chance de ver Colin mudar a vida desregrada que tinha.
Conhecendo a fama libertina de Colin e, temendo o sofrimento que um provável casamento com ele poderia causar a Diana, Minerva decide propor ao lorde que fugissem juntos fazendo parecer que iriam de casar. Mas na verdade sua ideia era participar de um Simpósio de Geologia em Edimburgo para apresentar uma descoberta científica que Minerva havia feito. Certa de que sua descoberta iria ganhar o prêmio do evento, ela ofereceu entregar todo o valor a Colin se ele não se casasse com a irmã. Negando-se no início a embarcar nessa aventura, Colin termina por se ver obrigado a acompanhar Minerva para lhe protejer e com a esperança de que ela mudasse de ideia no meio do caminho. Claro que isso não acontece e o que acompanhamos durante a leitura do livro são as peripécias enfrentadas pelos dois no caminho para o evento.
Minerva sempre se achou inferior as irmãs e as jovens da época. Usava óculos, era estudiosa demais, meio atrapalhada. Não se encaixava nos padrões de uma moça para casar digamos assim. Nunca foi com a cara de Colin, e ele meio que por pirraça a provocava constantemente. E nesse jogo de cão e gato, durante a viagem de uma semana rumo ao simpósio os dois vão acabar descobrindo uma atração entre os dois que colocam a prova todas as primeiras impressões que um tinha sobre o outro.
A empatia pelo mocinho da trama foi imediata porque desde o começo vemos o Colin para além da capa libertino que a vila conhece. Percebemos alguém que esconde uma dor profunda, medos e certa fragilidade.  Vemos que ele se preocupa com os outros e tenta ajudar como pode a quem precisa. Minerva também cativa o leitor pela forma como ela conseguem ser ao mesmo tempo tão inexperiente em alguns assuntos e tão madura em outros. Os dois de uma forma improvável passam se compreender nas suas diferenças, descobrindo no outro o lado bom.
A narrativa de Tessa Dare envolve desde a primeira linha, e o texto transcorre com fluidez. Gostei bastante da trama ser construída por capítulos intercalados entre as intempéries da viagem de Colin e Minerva e a reação das pessoas sobre a fuga deles. Inclusive, o livro lança no ar outro romance entre a senhorita Taylor e o capitão Thorbe. O perfil desses dois me lembrou muito a Elizabeth Bennet e o Mr. Darcy de Orgulho e Preconceito. Parece que a história dos dois será a próxima da série e espero que logo seja traduzida para ver o que acontecerá com o tarrancudo Thorbe e a destemida Taylor.
O livro contém ainda passagens muito engraçadas e toca de leve na condição limitada da mulher na sociedade inglesa. Inteligente, doce, com pitadas fortes de paixão e uma pincelada de Jane Austen, são algumas das características que para mim definiriam bem Uma semana para se perder. Ele é um daqueles livros que fazem você passar horas agradáveis enquanto lê, dando pequenos suspiros pelo casal e torcendo para que tudo no fim realmente acabe bem.


Notas sobre o exemplar lido:
Tradução: A C Reis
Título original: A week to be Wicked
Série: Spindle Cove
Páginas: 288.

*Recebi o livro de cortesia da Editora Autêntica/Gutenberg

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos trocar ideias?